Como a pandemia impactará na automação de processos logísticos

A pandemia está impactando todos os setores e quando falamos dos processos logísticos não será diferente. As medidas de distanciamento social e a quarentena imposta por alguns municípios, aliada às possibilidades de trabalho remoto, devem mudar alguns aspectos do que se faz nesse segmento.

Se por um lado o aumento pela busca de serviços online impacta de forma positiva para o crescimento das demandas de transporte e armazenamento, por outros os processos internos precisarão ser revistos, com a automação assumindo um papel de destaque nessa equação. 

Ainda não sabemos quando a pandemia terminará, mas já podemos antecipar que muitas coisas serão diferentes quando um novo normal se estabelecer.

Comércio online: demanda deve crescer ainda mais

De acordo com um estudo compilado pela Infobase Interativa, 13% da população brasileira fez a sua primeira compra online em 2020. Isso significa a entrada no mercado de uma parcela significativa de consumidores, que antes buscava as lojas físicas como primeira opção. 

Mais produtos sendo entregues diretamente ao consumidor, ao invés das lojas e distribuidoras, impactam diretamente na maneira como as transportadoras terão que atuar daqui para a frente. Nesse caso, áreas que possibilitam a operação cross docking passam a ser ainda mais relevantes, pois agilizam os processos de recepção e entrega de materiais.

A localização acessível em pontos-chave das grandes cidades também passa a ser cada vez mais relevante em detrimento de grandes infraestruturas em regiões muito afastadas. Essa mudança de perfil já estava em andamento, mas a pandemia deve impulsionar uma transformação ainda mais veloz no setor.

Busca pela automação deve ser intensificada

Outra característica do setor que deve passar por modificações ainda mais aceleradas é a automação. Não é de hoje que se fala na substituição do trabalho braçal por máquinas que sejam capazes de reproduzir as mesmas tarefas. Aspectos como conferência de dados e registro de entrada e saída de mercadorias, também devem seguir o mesmo caminho.

A ideia é reduzir o número de atividades que possam colocar os trabalhadores em risco, ao mesmo tempo em que softwares de gestão e sistemas informatizados são capazes de ampliar a produtividade. Alguns gestores poderão controlar essas informações em tempo real mesmo à distância.

À medida que essas soluções são implantadas e mais dados são gerados, ferramentas de inteligência artificial encontram padrões que podem ser aperfeiçoados, justificando o investimento na implantação de novas tecnologias. 

Reavaliação das cadeias de suprimentos

Um fenômeno local pode ser capaz de impactar globalmente determinadas indústrias. Quando a pandemia de coronavírus começou na China, ainda no mês de janeiro, não demorou para que as indústrias brasileiras sentissem impactos negativos em diversos aspectos de suas cadeias de suprimentos.

A falta de componentes, por exemplo, foi responsável por fechar temporariamente as portas de algumas indústrias antes mesmo que o estado de emergência fosse decretado no Brasil. O fato é que alguns setores dependem exclusivamente de matérias-primas provenientes de regiões específicas.

Com muitas fronteiras fechadas, o impacto foi sentido globalmente. Contêineres ficaram parados nos portos, indústrias ficaram sem ter como produzir e lojas se desabasteceram. Na ponta final, alguns consumidores terão que esperar um pouco mais até que tudo volte ao normal.

Indústria 4.0: o futuro já começou

Embora nenhuma dessas perspectivas possa ser considerada exatamente uma novidade, uma vez que especialistas do setor já traçam esse cenário há um bom tempo, o fato é que a pandemia da Covid-19 deve resultar em uma aceleração na adoção de novas tecnologias. Passada a pandemia, processos que poderiam esperar até cinco anos para serem concluídos serão iniciados em caráter de urgência.

Grande parte do processo de retomada da indústria ocorrerá sustentado pela informatização, pela automação e pela aposta na implantação de novas tecnologias. Portanto, aqueles que sobreviverem a esse momento difícil e, de alguma forma, conseguirem se antecipar a essas tendências, certamente terão vantagens e conseguirão recuperar eventuais prejuízos em menor tempo.