O que é logística tributária e como essa estratégia pode reduzir custos para o seu negócio

Não é nenhum segredo que o Brasil tem uma das cargas tributárias mais altas e complexas do planeta. Quando falamos dos sistemas de transporte, infelizmente, a situação não é muito diferente, prova disso é que grande parte dos esforços das empresas de logística são destinados às questões burocráticas.

Porém, embora esse cuidado esteja presente em diversos momentos ao longo da cadeia produtiva, nem todas as companhias se dão conta que deveriam adotar medidas nesse sentido já na fase de planejamento. 

A chamada “logística tributária” vai além da consideração de insumos e rotas, mas também inclui estudos de viabilidade para que se descubra quais são as formas mais eficientes de transportar cargas sem precisar pagar mais do que devia em impostos.

O que é logística tributária?

Por logística tributária entende-se a adoção de medidas estratégicas que visem observar todos os princípios da legislação com o objetivo de se obter uma gestão de impostos mais vantajosa. É importante ressaltar que não se trata de deixar de pagar impostos ou omitir qualquer tipo de informação que seja, pelo contrário: a ideia é, dentro da lei, encontrar mecanismos que tornem possível reduzir a carga tributária.

Pela falta de planejamento ou por simples desconhecimento da legislação, muitas empresas de transportes acabam pagando mais do que deviam em termos de impostos. Entretanto, ao recorrer a mecanismos como incentivos fiscais e isenções que o governo, estados e municípios oferecem, é possível reduzir custos operacionais e aumentar a lucratividade sem comprometer a execução do trabalho.

Para que isso seja possível, é essencial que as empresas contem com profissionais capacitados e especializados em aspectos tributários ligados ao transporte e à logística. Investir em um planejamento tributário que contemple essas informações pode representar uma economia significativa para as empresas em médio e longo prazo, o que torna mais que justificável pensar em ações como essas.

Quais são as ações que podem ser tomadas para reduzir os custos tributários?

Cada empresas tem as suas características e, por essa razão, aspectos individuais de cada uma das companhias devem ser observados antes da aplicação de qualquer medida. Entretanto, em linhas gerais, podemos citar algumas medidas como as mais relevantes no sentido de identificar problemas e buscar soluções para eles.

Em primeiro lugar, um estudo que leve em consideração outros regimes tributários pode dar indícios se a empresa está estruturada da melhor forma possível ou não. Nem sempre o fato de pagar mais impostos em um primeiro momento é prejudicial em médio e longo prazo, pois as companhias passam a contar com incentivos fiscais e linhas de crédito que justifiquem essa escolha.

Outro detalhe importante está na localização da sede da companhia. Há diferenças entre os tributos e impostos cobrados por estados e municípios e encontrar aqueles que sejam mais vantajosos também pode ser uma maneira de justificar modificações no planejamento. Quanto aos tributos federais, solicitar uma revisão nos valores já pagos pode ser uma forma de recuperar capital.

Por fim, considere ainda prorrogar pagamentos cujo vencimento se dê antes da apuração do lucro. Em regime de caixa, a cobrança chega no dia do recebimento enquanto no regime de competência o tributo incide já na data do fato gerador. Considere quais dessas alternativas é melhor dentro do seu contexto.

Consultorias especializadas: o melhor caminho

Embora seja perfeitamente possível que a sua equipe de contabilidade, finanças e planejamento logístico encontrem o “caminho das pedras” para reduzir custos operacionais com tributos, na maioria dos casos vale a pena recorrer a empresas de consultoria especializadas em fazer uma análise operacional da companhia visando reduzir os encargos.

Essa é uma matéria complexa e cujas mudanças constantes na legislação fazem com que a análise precise ser realizada de forma contínua. Se os custos tributários estão pesando no seu negócio, talvez seja o momento de refletir e investir em um planejamento tributário mais eficiente.